https://soundcloud.com/luciana-moraes-7

terça-feira, 18 de julho de 2017



Cantos / em memória de CDA/
Ao Adiron Marcos

1.
Enxárcia se tinge, se embre-
nha na ponta do cais.
O neurônio refletido age
sobre a raiz das Crescências.
Com Chave de minério, poente,
sem perder a paciência,
trava o ato de prendê-la.
Fosse o dia nascido num curral
:
2.
Sem paredes e referentes humanos
Sem os quadros históricos d’antes
A longínqua fechadura da voz
Não saberia dizer se a casa existiu.
O percalço da noite
vem somando timbres.
De raridade às ruas,
de ruas a densos nadas.
O rosto espelhado da gente
sofre sobre a superfície tonal.
:
3.
Guarda a mulher, a colheita do trigo
O trajeto do papiro, redes...
vozes entre cômodos___________
O vértice, lugar desabitado,
esquecido e enxugado entre dedos.
No solo rubro, vermes compõem
o futuro saboroso fruto
Os pés reintegram-se à cor
das mariposas, em silêncio, acontecidas.
:
4.
Tanto as uvas partidas
quanto o bolor dos fatos
)noite(
Se condenam a traduções estranhas
Mas tais frutos correm nas v(e)ias.
A cidade composta de fardos
Traz mudez aos olhos suspensos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário